Tag: Vitor de Paula Ramos

14 nov 2018

Vitor De Paula Ramos​ em entrevista à Rádio Justiça

Em entrevista à Rádio Justiça, o sócio Vitor De Paula Ramos​ falou sobre as fragilidades e preocupações que os operadores do direito e a sociedade em geral devem ter em relação à prova testemunhal, tema de livro assinado por ele. A obra foi publicada pela editora Revista dos Tribunais.

“Na prática, vemos a extrema fragilidade da prova testemunhal. A preocupação é saber como dar um tratamento científico para isso – esse tipo de prova é o principal fator de condenações equivocadas nos Estados Unidos, por exemplo”.

Para ouvir a entrevista, basta acessar o link bit.ly/2SUrFD1

18 set 2018

Treinamentos da ABEArb no Silveiro Advogados

Na tarde de 12/09 nosso escritório sediou os treinamentos da ABEArb (Associação Brasileira dos Estudantes de Arbitragem) para a IX Competição Brasileira de Arbitragem e Mediação Empresarial promovida anualmente pela CAMARB. Na ocasião, os sócios Vitor de Paula Ramos e Nikolai Rebelo também participaram como árbitros a convite da ABEArb. Este ano, a competição acontece no IBMEC, em São Paulo, entre os dias 25 a 28 de outubro.os sócios Vitor de Paula Ramos e Nikolai Rebelo participaram do evento como árbitros a convite da ABEArb.

02 ago 2018

O sócio Vitor De Paula Ramos falou à Rádio Justiça sobre o tema de seu livro, “Ônus da Prova no Processo Civil”.

Para ouvir a entrevista, basta acessar o link e ouvir a partir de 14’28”. “O livro é fruto da dissertação de meu mestrado, concluído em 2015, que, depois de ter esgotado em 2017, agora teve sua segunda edição publicada. Foi um trabalho de três anos, tratando do Direito Probatório brasileiro”, comenta o advogado. Ouça: http://www.radiojustica.jus.br/arquivo/radioBancoAudio/multimidia/2018/maio/300518REVISTAJUSTICA2.mp3

11 jan 2017

Escritório de advocacia cria uma escola para preparar estagiários

Com 230 empresas no seu portfólio de clientes, o escritório quase dobrou de tamanho em número de profissionais nos últimos cinco anos

É com orgulho que anunciamos que o lançamento da Escola de Advocacia João Carlos Silveiro foi destaque no site da Exame: http://abr.ai/2iF7NBF
Trata-se de iniciativa pioneira, que consolida o tradicional programa de estágio de Silveiro Advogados e pretende transformar estagiários em futuros sócios do escritório. No primeiro ano, a Escola será coordenada pelo sócio Vitor De Paula Ramos, em parceria com o diretor-geral Ricardo Moraes e com os demais sócios.

19 ago 2016

Empresa pode ser multada por não apresentar documento em processo

VPRO sócio Vitor De Paula Ramos concedeu uma entrevista nesta quinta-feira, dia  18, sobre a exibição de documentos em juízo, de acordo com o Novo CPC‬. O advogado falará sobre o tema, com enfoque na prevenção de problemas, na quinta-feira, dia 25, às 9 horas, em café da manhã na sede de São Paulo. Garanta sua inscrição pelo link: https://goo.gl/forms/pEoyHY0hmXrTgoM52

03 ago 2016

Silveiro Advogados explica mudanças legislativas sobre manejo e exibição de documentos

As empresas precisam estar preparadas para os novos desafios jurídicos trazidos pelo CPC de 2015, que prevê, por exemplo, a possibilidade de exibição obrigatória de documentos. Para auxiliar empresas a se prepararem, Silveiro Advogados realiza evento com os especialistas Ricardo Ranzolin e Vitor de Paula Ramos em seu escritório em São Paulo no dia 25 de agosto. As vagas são limitadas! Inscreva-se gratuitamente: http://bit.ly/2ajt3LD

29 jun 2016

Novo CPC demanda empresas mais atentas para a guarda de documentos

Vitor Lia de Paula Ramos*

Como todas as empresas manejam com informações, os cuidados devem, portanto, ser redobrados, seja com o registro, seja com a guarda dessas.

O CPC de 2015 trouxe inúmeras novidades para as empresas. Uma dessas, relacionada ao terreno das provas, está na possibilidade de produção forçada de provas.

Isso quer dizer, por exemplo, que, em uma ação movida por um paciente contra um Hospital, por um comprador contra uma construtora, por um paciente contra um cirurgião-dentista, etc., o juiz pode forçar a empresa a apresentar documentos ou coisas que estejam em sua posse e que, segundo o julgador, sejam necessários para a elucidação de fatos. Tudo isso, entre outras coisas, dando-se a possibilidade de que o juiz determine, dependendo do caso, multa diária, busca e apreensão, ou outras medidas ainda mais gravosas.

Como todas as empresas manejam com informações, os cuidados devem, portanto, ser redobrados, seja com o registro, seja com a guarda dessas.

Quanto ao registro, em primeiro lugar, não devem ser inseridos em documentos, mesmo que internos, comentários ou informações laterais ou desnecessárias, principalmente aqueles que não refletem a posição da empresa, mas somente de um funcionário. Como sabido, afinal, os documentos escritos, quando analisados, muitas vezes perdem o contexto em que foram criados, podendo levar a interpretações equivocadas sobre o que efetivamente ocorreu.

Quanto à guarda, da mesma forma, a organização se faz ora muito mais relevante. Em uma demanda contra uma construtora, movida por um comprador, por exemplo, é extremamente importante que, ao ser compelida a exibir documentos, a empresa tenha as plantas organizadas e identificadas temporalmente, com as alterações procedidas em cada versão e, principalmente, com menção precisa sobre qual é a versão final e definitiva. A advocacia preventiva, como sempre, é muito mais efetiva e menos custosa; investir hoje em novas políticas de documentos certamente reverterá em grandes economias futuras para as empresas.

 

*Vitor Lia de Paula Ramos é sócio do escritório Silveiro Advogados.